Ingressos Temporada de Natal
Turismo Informação Hotéis e Tarifas Por Temporada INGRESSOS Passeios
Reserve online
 Destino: Período: a    Quartos: Pessoas:
Receba ofertas exclusivas

Você irá receber nossas ofertas de
hotéis, passeios, transfers e muito mais!
GramadoSite.com




Temperatura
em Gramado:
20°C


  Google   Orkut   YouTube   twitter gramado

Guia de Gramado RS - Serra Gaúcha - Brasil

Gramado RS - Serra Gaúcha

Texto publicado em 26/09/2003* - 13:47, sexta-feira.por Prof. Darli Alves
*Atenção: você está lendo CONTEÚDO DE ARQUIVO. Publicado há mais de 11 anos!
A Independência do Brasil
A Independência do Brasil na visão do Prof. Darli Vianei Alves

Em Portugal existe sete de setembro? O leitor mais atento, com toda certeza responderá que sim. Só que lá, nesta data não é feriado e também não há comemorações.

Para os brasileiros o dia 7 de setembro é um dos feriados mais aguardados do ano. Nesse dia um verdadeiro culto cívico é prestado à Pátria com realizações de desfiles pomposos nas principais ruas e avenidas do Brasil.

O que temos para comemorar? A Independência do Brasil?!! Quem a proclamou e por quê? O Brasil é independente? O que caracteriza uma nação livre? Bem... vejamos...


Durante 322 anos o Brasil de águas infindas, de bons ares, de lindas matas povoadas de pássaros e animais, ouro e produtos tropicais, índias e mulatas, era a melhor colônia portuguesa existente no mundo. Nesses três séculos enviamos a Portugal toneladas de pau-brasil, açúcar para refino e ouro, além de couro, tabaco, algodão..., riquezas para fazer de Portugal um dos países mais poderosos do mundo, o que não se concretizou na prática, talvez, daí, tantas piadas de português...

A vinda da Família Real portuguesa ao Brasil, em 1808, foi vital no processo da Independência do Brasil. As 36 embarcações que aqui aportaram trazendo à bordo cerca de 15 mil pessoas da mais alta linhagem lusitana, possibilitaram ao príncipe regente Dom João promover importantes medidas, tais como: abertura dos portos brasileiros, para o comércio com as nações amigas, fundação da Academia da Marinha e Militar, Banco do Brasil e da imprensa régia. Logo as principais vilas e cidades foram contempladas com praças, teatros e bibliotecas. Casas foram construídas e reformadas. Surgiram muitas lojas, oficinas, livrarias, salões de barbeiro, padaria, tabacarias, hospitais, escolas... e, em 16 de dezembro de 1815, o Brasil foi elevado a condição de Reino Unido a Portugal e Algarve.

Tudo corria bem no Brasil, menos para os escravos e trabalhadores, basta lembrar a Revolução Pernambucana em 1817. Em Portugal, após serem expulsas as tropas napoleônicas, um general inglês foi nomeado comandante do exército português e governador do reino, causando um grande mal estar, culminando com a Revolução do Porto em 1820. Vitoriosos, os revolucionários lusitanos tomaram o poder e exigiram o retorno da Família Real a Portugal, a fim de que Dom João VI aceitasse a nova Constituição e que o Brasil fosse recolonizado.

Em abril de 1821, com medo de perder o trono, Dom João retornou para Portugal, porém esvaziou os cofres do Banco do Brasil, levando quase todo o ouro para Portugal. Antes de partir, aconselhou seu filho mais velho para que ficasse e procurasse o mais rápido possível proclamar a Independência do Brasil antes que algum “aventureiro” o fizesse, a exemplo das colônias espanholas.

Pedro de Alcântara Francisco Antônio João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim de Bragança e Bourbon, o “Pedrinho” para os íntimos e “rapazinho” para a Corte de Lisboa, contava com apenas 23 anos quando se preparava para ser rei do Brasil. Não entendia quase nada de política. Criado solto numa fazenda, a 80 Km do Rio, Pedro brincava sozinho na mata, brigava a pau e soco com outras crianças e bolinava as escravas. Apesar de ter epilepsia congênita, tinha predileção por cavalos levando 36 quedas e uma paixão o dominava: “o belo sexo”, tendo várias amantes, sendo a principal, Domitila de Castro, de quem fez Marquesa de Santos, com quem teve quatro filhos. Gostava de usar roupas de algodão e chapéu de palha, de tomar banho nu na praia do Flamengo. “Ria, debochava e zombava com quem quer que fosse”. Agora estava diante de uma grande responsabilidade, a de tornar o Brasil livre de Portugal.

Dom Pedro aceitou a sugestão do pai e também os conselhos de José Bonifácio após receber um documento contendo oito mil assinaturas pedindo pela sua permanência no Brasil. Emocionado, o príncipe regente, numa cerimônia realizada no dia 9 de janeiro de 1822, desafiando a Corte portuguesa, que exigia seu retorno a Portugal, anunciou solenemente sua decisão: “Se é para o bem de todos e felicidade geral da nação, diga ao povo que fico”. A ruptura era iminente e as tropas lusas se amotinam no Rio, mas acabaram expulsas do Brasil. Um ministério efetivamente brasileiro foi criado sob a liderança de José Bonifácio e, no dia 4 de maio, Dom Pedro decretou que nenhuma medida das cortes seria aplicada aqui sem o “cumpra-se” do príncipe, recebendo por tal medida, no dia 13, o título de “Protetor e Defensor Perpétuo do Brasil”.

A tensão aumentou ainda mais quando no dia 1º de agosto, o regente declarou inimiga qualquer tropa portuguesa que desembarcasse no Brasil. Para acomodar as desavenças internas ente os conservadores que desejavam a União do Brasil com Portugal, e os radicais, que queriam a ruptura definitiva com a Metrópole, Dom Pedro partiu no dia 14 para São Paulo.
No dia 7 de setembro, ao regressar de Santos para São Paulo “usando uma roupa simples de viagem e montado em uma prosaica e usual mula”, após a noitada com Domitila de Castro, Dom Pedro fez algumas paradas no caminho para “aliviar o ventre”, uma disenteria lhe carcomia as entranhas o que o “obrigava a todo momento a apear-se para prover”. Por volta das 16h30min, cruzou com os emissários Paulo Bregaro e o major Antônio Ramos Cordeiro, na colina ao lado do riacho do Ipiranga (hoje um esgotão) “que lhes trouxeram quatro cartas: duas da esposa Leopoldina, uma do cônsul inglês Henry Chamberlain e outra de José Bonifácio”.

“Segundo uma das testemunhas que deixaram o relato sobre o evento, o alferes Francisco de Castro C. Melo, o príncipe leu ele mesmo os papéis que lhe traziam. Segundo outra, o padre Belchior P. de Oliveira, foi quem leu as cartas para o príncipe. Os papéis davam conta de resoluções das Cortes que avançavam no propósito de fazer o Brasil regressar à condição de colônia”. Após a leitura dos quatro documentos, Dom Pedro, tremendo de raiva entre a fúria e a loucura, arrancou os papéis das mãos do padre, amarrotando-os e pisoteando-os na relva e depois de abotoar e compor a farda, pois vinha de trás da “moita” a quebrar o corpo e perguntou ao padre o que fazer? E o padre respondeu que se ele não se fizesse logo rei do Brasil “seria prisioneiro das Cortes e talvez deserdado por elas”. Depois de alguns instantes em silêncio caminhando com o padre e alguns integrantes da comitiva em direção aos animais que se encontravam à beira da estrada, parou e disse: “As Cortes me perseguem, chamam-me com desprezo de Rapazinho e Brasileiro. Pois verão agora quanto vale o Rapazinho. De hoje em diante nada mais quero do governo português e proclamo o Brasil para sempre separado de Portugal!”. Em seguida a Guarda do príncipe que se encontrava numa venda próxima, foi reunida e comunicada de sua decisão, quando Dom Pedro anunciou “amigos, as Cortes portuguesas querem escravizar-nos e perseguem-nos. De hoje em diante nossas relações estão quebradas, nenhum laço nos une mais”. Arrancando a insígnia portuguesa de seu uniforme e ordenando aos soldados que fizessem o mesmo, colocou-se à frente da sua guarda, desembainhou a espada, enquanto os paisanos tiraram o chapéus e disse: “pelo meu sangue, pela minha honra e pelo meu Deus: farei do Brasil um país livre”. Em seguida erguendo-se nos estribos da mula e alcançando a espada, afirmou: “Brasileiros, de hoje em diante nosso lema será: INDEPENDÊNCIA OU MORTE”.

Naquela bela tarde, apenas 38 pessoas ouviram o “heróico brado retumbante” de D. Pedro. À noite, na cidade de São Paulo, o príncipe e sua comitiva divertiam-se assistindo a uma peça teatral, enquanto os escravos e o povo ficavam longe das comemorações e das articulações de nossa independência, “o sol da liberdade em raios fúlgidos” só brilhou para os escravos 66 anos depois.

D. Pedro se tornou o primeiro rei do Brasil aos 24 anos, no dia 1º de dezembro de 1822. O primeiro país a reconhecer a Independência do Brasil foi os Estados Unidos, no ano de 1824, baseando-se na Doutrina Monroe cujo lema era “A América para os americanos”. Portugal reconheceria a independência brasileira um ano depois mediante o pagamento de uma indenização de 2 milhões de libras esterlinas, emprestado pelos ingleses (dívida externa).

Hoje, 181 anos depois, a situação se repete. O povo continua fora das decisões políticas enquanto potências estrangeiras mandam em nosso país. A insegurança toma conta dos brasileiros: desemprego, violência e muitos políticos corruptos. Nunca em toda a história se produziu tanta violência. Uma pessoa é assassinada a cada 13 minutos no país e o número de seqüestros e chacinas vem aumentando consideravelmente. O trânsito brasileiro se encarrega de matar cerca de 30 mil pessoas por ano. A FEBEM e presídios estão lotados, e milhares de crianças se prostituem nas ruas (somos o país campeão mundial de prostituição infantil e morte de crianças). É notório que nossas instituições e os políticos estão muito aquém do que poderiam fazer para nossa “brava gente brasileira”. Hoje é um dia de reflexão, paixão e amor incondicional. Dia de sonhar com um amanhã promissor, onde todos possam exercer livremente a cidadania, num país verdadeiramente democrático, não de intenções, mas de ações transformadoras. É dia de acreditar que podemos quebrar os grilhões que nos oprimem, é tempo de INDEPENDÊNCIA!!!.

Autor: Darli Vianei Alves
Detalhe de um quadro de Pedro Américo. Mera alegoria ao que de fato ocorreu nas margens do Ipiranga a 7 de setembro de 1822. Fonte: MARANHÃO, Ricardo., Antonio & RONCARI, Luiz. Brasil história: texto e consulta: império. 5 ed. São Paulo:
Hucitec, 1991, v.2, p. 149-156.

RODRIGUES, José Honório. Independência: Revolução e Contra-Revolução – A Evolução Política. Rio de Janeiro,
Ed. Livraria Francisco Alves, 1975, vol. 1, p. 249-51. In: Hilário Barbian. Os detalhes do grito do Ipiranga.
Jornal da Manhã, 7/set/1993. p. 16.

BUENO, Eduardo (Coord.). História Ilustrada do Brasil. Zero Hora. Porto Alegre, 1998. p. 113-120.

TOLEDO, Roberto Pompeu de. Ataque ao sete de setembro. Veja, 13/set/1995. p.132-33.

SECCO, Alexandre. Socorro! Um assassinado a cada 13 minutos. Veja, 7/jun/2000. p. 132-139.

DIMENSTEIN, Gilberto. Mais morte do que independência. Folha de São Paulo, 7/set/1993, p. 2.

Rodízio de Fondue com música ao vivo!
St. Gallen Restaurant

Ter Estilo é uma Arte
Hotel Casa da Montanha

Sopas para as noites de Gramado
Casa das Sopas

Restaurante especializado em Caças
La Caceria Restaurante

PASSEIO DE QUADRICICLO NO ALPEN PARK
Alpen Park

Hotel Sul Serra
Sul Serra Hotel

   
Enviar por email         |         Comentar         |         Imprimir

Direitos Autorais © 1997-2014,GramadoSite Internet e Turismo Ltda. CNPJ: 04.304.139/0001-80
E-mail:
comercial@gramadosite.com
Endereço: Rua Augusto Zatti, 78 - Sala 103 - Centro - Gramado/RS - 95670-000 Telefones: (54) 3286 2078 / (54) 3286 5515
GramadoSite 16 anos O primeiro site turístico sobre Gramado e região da Serra Gaúcha - Reservas, Hotéis, Pousadas, Pontos Turísticos, Eventos, Compras, Imóveis, Notícias, Cultura e Informação.
O uso deste site implica na aceitação de todos os termos de uso.
EMBRATUR Nº 23.012908.10.0001-3


RSS - Notícias/Gramado
gramadosite.com.br gramadosite.com.br