Aeroporto de Canela pode sair do papel no final de 2020

Se depender das ações do governo, Canela começará a ver o projeto do aeroporto sair do papel a partir de outubro de 2020. Essa é a projeção dada pelo secretário adjunto de Obras Germano Junges, que apresentou o projeto do empreendimento durante o Encontro Regional sobre o Trem da Serra Gaúcha e o Aeroporto Internacional das Hortênsias, realizado dias 29 e 30, no auditório da UCS, em Canela. O evento, além de contar com autoridades de municípios da região, trouxe investidores interessados em bancar o empreendimento.

O investimento estimado é de R$ 185.733.511,33. Os próximos passos são a renovação da outorga, prevista para dezembro, e a renovação da licença ambiental em março de 2020. Feito isso, em junho do ano que vem o governo pretende lançar o edital da parceria público-privada para, no final de outubro, abrir a concorrência. O empreendimento abrigará 141,12 hectares de área patrimonial.

O aeroporto é uma demanda que passou a ser buscada em 1986. De lá para cá, os argumentos para a construção do empreendimento ganharam mais força. Isso porque, com os problemas de mobilidade urbana, o fato de não ter que desembarcar no Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, facilitaria o tráfego de visitantes.
"De 100 passageiros que pousam na Capital, a metade vem para Canela e Gramado, e daqui é de onde eles partem para outras cidades, conforme o tempo que permanecem", salientou durante a explanação na sexta-feira pela manhã o adjunto Germano Junges.

No feriadão de Páscoa deste ano, 48 aeronaves de pequeno porte aterrissaram em Canela – algumas vindas de fora do país. Amparado por dados, Junges justificou que a Região das Hortênsias recebe cerca de 12 milhões de visitantes por ano, e os seus 295 meios de hospedagem representam quase 20% de todos os leitos no Rio Grande do Sul.

Segundo números do Ministério do Turismo, a Região das Hortênsias é a terceira mais procurada por quem visita o Brasil. Isso, somado a outras justificativas, evidencia a importância de Canela acolher a tão desejada construção do aeroporto internacional.
São pontos a favor que vão ao encontro do outro projeto apresentado na UCS: o do trem na Serra gaúcha. Ambos fomentariam a economia turística de, pelo menos, 12 municípios.