• O sol preguiçoso de outono deixa Gramado ainda mais bonita nessa estação. E foi nesse clima que o fotógrafo português Mica Costa-Grande desembarcou na cidade no último domingo, a bordo da maior câmera fotográfica móvel do mundo.

  • Há 22 anos Mica Costa-Grande realiza expedições pelo mundo. Acompanhado da esposa, a jornalista e produtora de audiovisual Sofia Salgado e dos filhos Elói, 13 anos e Sásquia, 11, o fotógrafo está percorrendo o país com o projeto `Brasil pelo buraco da agulha`.

  • Inovação e ousadia dão o tom desse projeto que materializou a maior câmera fotográfica móvel do mundo. Idealizado por Mica Costa-Grande, o moderno caminhão Volkswagen Constellation 17.250, foi transformado numa câmera. Com um baú de 7m de comprimento, o caminhão construído no Brasil vai rodar 25 mil quilômetros até o final de maio. “É uma câmera de 17 toneladas que registra um dia inteiro em cada foto”, explicou Mica nesta entrevista exclusiva à GramadoSite.

  • Em 1986 Mica e Sofia percorreram toda a Europa e Ásia, de Portugal ao Sul da China. Foram quase dois anos a bordo de uma kombi! Com base em Macau, o casal viajou por toda a Ásia. Em 2000 já com seus dois filhos, iniciaram a volta ao mundo começando pela China. Essa travessia da Ásia, Europa e toda a América terminou aqui no Brasil, em março de 2006. Desde então, o fotógrafo português já passou por 70 países e fez cerca de 100 mil fotos.

  • Toda a peculiaridade desse projeto está resumida na proposta do registro fotográfico. Profissional consagrado (premiado como Melhor do Ano pela Kodak), Mica Costa-Grande abriu mão da tecnologia para dar asas à sua criatividade, escolhendo a fotografia pinhole, que não utiliza equipamentos convencionais. Para quem não conhece, a técnica é mesmo artesanal, não usa lentes! “A câmera pinhole não possui objetiva, tendo em seu lugar um minúsculo orifício por onde a luz é captada para dentro da câmera. O resultado são imagens únicas”, relatou Costa-Grande num bate-papo descontraído, durante a pausa para um café na Rua Coberta.

  • O caminhão-câmera nada mais é do que um aparelho fotográfico de grandes dimensões. A imagem projetada sobre uma superfície semi-circular resulta invertida, sendo captada em papel fotográfico medindo 3,70m por 1,20m. Através de um minúsculo buraco de apenas 1,6mm, a exposição à luz de cada foto dura entre 8 a 12 horas. Só para se ter uma idéia, neste espaço de tempo (à velocidade de 1/125 de segundo), poderiam ser feitas 3,5 milhões de fotografias convencionais. Para entender melhor, Mica nos levou para o interior do caminhão. Lá dentro, na sala escura, ele nos disse: “Agora imaginem que vocês são uma formiga que está dentro de uma câmera fotográfica”. Naquele espaço cego de uma caixa, sem a influência de nenhum aparato ótico, nossos olhos lentamente se acomodaram e começaram a perceber contornos e movimentos invertidos, apenas com o auxílio da luz... incrível!

  • A expedição brasileira começou em setembro de 2007 e deve terminar em maio de 2008. A viagem pelo Brasil com a câmera fotográfica-caminhão começou pelo Monte Roraima (com 2.875m de altura), que faz parte dos Tepuyes, cadeia de montanhas localizada na tríplice fronteira entre Brasil (estado de Roraima), Venezuela e Guiana. E é essa linda imagem do Monte Roraima que reveste a lateral do caminhão. O projeto cultural inédito já completou 20 estados brasileiros e neste último domingo o `buraco da agulha` ajustou seu foco em Gramado! Depois do Brasil, a viagem dos Costa-Grande continuará pelo Alaska, passando pela Sibéria e terminará na China.

  • Tivemos o privilégio de dar uma volta pela cidade a bordo do Geolander. Esse é o nome escolhido por Mica para o veículo que, segundo ele, é o primeiro caminhão de expedição brasileiro especialmente desenvolvido para os amantes das grandes expedições. Para tornar real sua idéia, o fotógrafo foi em busca de parceiros. A Volkswagen entrou com o caminhão e a SCA Móveis com todo o aparato interno que impressiona pelo conforto e modernidade. A Vivo também está sendo fundamental nessa jornada, disponibilizando celular e internet. A casa modular tem duas suítes, banheiro, cozinha, eletrodomésticos Bosch, painel solar, sistema elétrico e uma tela 42 polegadas instalada na parte externa, na qual são exibidas ao público informações sobre o projeto. Se estivesse a venda, o caminhão teria um custo em torno de 500 mil reais. “Este é um protótipo, a idéia é encontrar parceiros para produzir e vender caminhões assim`, explicou Mica.
  • Também pretendo fazer uma exposição dessas fotos, onde estarei presente virtualmente para conversar com as pessoas sobre o projeto”, contou Mica. Simpático, o fotógrafo não se cansava de falar sobre suas andanças mundo afora. Sua cabeça é uma vertente de onde brotam muitas idéias. Perguntei o que mais gostou no Brasil e ele de pronto começou a relatar: “A Amazônia é linda, tem uma natureza inexplicável; a cor do mar no litoral do nordeste também é inesquecível. Aqui no Sul adorei a arquitetura, a limpeza, a calma. Parece que estamos num pedaço da Europa”. Ainda nesta semana, os Costa-Grande deixam o Rio Grande do Sul e seguem viagem rumo a Florianópolis/SC, Curitiba e Foz do Iguaçu/PR, Campo Grande/MS, São Paulo/SP até concluir o roteiro previsto no Rio de Janeiro/RJ. “Permanecemos, em média, uma semana por Estado”, explicou o fotógrafo Marcelo Scaranari, que está acompanhando a família Costa-Grande neste expedição pelo Brasil. Ele faz uma espécie de making of da viagem.

    O projeto Brasil pelo buraco da agulha - que tem o apoio do Ministério da Cultura do Brasil, USP, Instituto Camões e da Volkswagen e de entidades luso-brasileiras - será inscrito no Guiness Book of Records na categoria de “maior câmera móvel do Mundo”. Toda a quilometragem dos expedicionários portugueses pelo Brasil deverá resultar na publicação de um livro com fotos e na realização de uma exposição revelando a visão estrangeira do Brasil, através de cliques muito singulares de cada um dos 27 estados. “Quero fazer algo diferente, quero inovar. Penso em expor todos os negativos – que são enormes – num campo de futebol e captar essa imagem para dar uma dimensão desse trabalho.

  • Uma família: Costa-Grande. Uma casa-móvel: Geolander. Um quintal: o mundo!

    São mais de 20 anos vivendo dentro de um veículo para conseguir realizar o sonho das viagens transcontinentais. Com muita propriedade, o apelo de marketing impresso no caminhão resume bem o feito dos expedicionários portugueses: “Uma casa fora da comum. Uma vida fora do comum”.