• Gramado escolheu o viés da espiritualidade para celebrar a Páscoa. O coelhinho e os ovos de chocolate estão presentes nas vitrines, mas na programação é a mística que predomina. Do sofrimento à redenção, o Gramado Aleluia recorda os últimos dias de Cristo no mundo.

  • A programação começa uma semana antes da Páscoa, no sábado, com a encenação da retirada de Cristo da Cruz, na Igreja Matriz São Pedro. Chamada de “Cerimônia da Descida”, a encenação envolve pessoas da comunidade e induz à reflexão sobre o sofrimento, tanto daquele que foi pregado na cruz, quanto dos que o queriam bem – seus discípulos, que o retiraram do madeiro, e sua mãe, que segurou no colo o corpo sem vida do filho.

  • No Domingo de Ramos, uma procissão parte do Hospital Arcanjo São Miguel, onde é iniciada a celebração da missa. De lá, a romaria segue pelas ruas centrais de Gramado rumo à Igreja Matriz São Pedro, onde termina a celebração. Nesse dia, são distribuídos os ramos bentos, que, para os fiéis, são como escudo para proteger a residência em dias de temporal.

    O Domingo de Ramos abre a Semana Santa. O cortejo é puxado por um burrinho, montado por um ator que representa Jesus. No Largo da Matriz, voluntários da comunidade estendem enormes ramos de palmeira pelo caminho, formando um tapete para a entrada de Jesus no templo. O rito é uma referência à passagem do Evangelho que retrata a entrada triunfal de Cristo em Jerusalém, montado em um burrinho e exaltado pelo povo, pouco antes de sofrer a Paixão.

  • A partir daí, tem início a Semana Santa da Paixão de Cristo, com celebrações mais intimistas, centralizadas na Igreja Matriz São Pedro. Missas, vigílias, concertos musicais e celebrações de penitência estão no cronograma. Na noite de quarta-feira, têm início as chamadas “40 horas de adoração”, na capela do Santíssimo Sacramento da Igreja Matriz. Os fiéis ficam em vigília durante 40 horas ininterruptas, em preparação para celebrar o mistério da redenção. Pastorais da Igreja se revezam na condução das orações.

    Na Quinta-feira Santa, é encenado o Lava-pés, na Igreja Matriz. O ato de Jesus ter lavado os pés dos discípulos na Última Ceia é imitado pelo sacerdote, que lava os pés de 12 homens, representando os apóstolos. Estes, por sua vez, partem ao encontro da comunidade para repetir o gesto, já que os Evangelhos relatam que Jesus pediu aos discípulos que eles seguissem seu exemplo. A analogia desperta a reflexão para o espírito de entrega e solidariedade em simples ações do cotidiano.

  • O ápice da programação do Gramado Aleluia é a Procissão dos Passos, realizada na Sexta-feira Santa. Não é uma simples caminhada de fiéis orando pelas ruas, como a maioria das romarias que se costuma presenciar. A procissão com o Senhor Morto é uma tradição na cidade de Gramado, desde 1917. Porém, em 1997, ela foi reformulada, trazendo inspirações européias e resgatando ritos medievais.

    Todo o trajeto da Procissão dos Passos é marcado por um tom fúnebre. A batida das matracas e o toque seco da banda marcial ditam o ritmo dos passos para a procissão. Os caminhantes com longas túnicas, encapuzados, escondendo o rosto, caminham devagar escoltando o Senhor Morto. A iluminação pública é totalmente desligada. Mais de 600 pessoas participam da procissão usando vestes monásticas conforme a irmandade que vão representar.

  • Cada irmandade acompanha um carro com imagens sacras. O primeiro representa a flagelação de Jesus. O segundo retrata Jesus com a cruz nas costas. O terceiro carro é um dos mais representativos, pois mostra o calvário, com as imagens de Jesus Crucificado, Nossa Senhora das Dores e São João Evangelista. No alto da cruz, uma coroa dourada lembra: "O meu Reino não é deste mundo”. Aos pés da cruz, uma caveira humana faz referência a Adão, que estaria enterrado sob o Monte Calvário, conforme reza a lenda. A imagem de Maria leva uma espada e um coração, lembrando a profecia de Simeão: “Uma espada de dor transpassará tua alma".

    O quarto carro destaca a imagem de Nossa Senhora da Piedade. Maria acomoda Jesus em seus braços, depois que Ele é retirado da cruz. Um coração com sete espadas simboliza as sete dores da Mãe de Jesus. Somente no quinto carro aparece a clássica imagem do Cristo morto. O carro seguinte carrega um pequeno fragmento da suposta verdadeira cruz de Jesus, que está exposta para veneração na Igreja de Santa Cruz, em Roma. O último carro da Procissão dos Passos é o da imagem de Cristo ressucitado, conforme as Escrituras.

    A ideia das irmandades veio da Espanha, que desde o século XII realiza grandes procissões nesta data. Os confrades se vestem com roupas que lembram os penitentes, pessoas que nos primeiros séculos do cristianismo saíam para as ruas encapuzadas e com farrapos sobre o corpo em sinal de penitência. Na Procissão dos Passos, os rostos cobertos lembram que todos são iguais perante Deus. As tochas, tambores e matracas, fazem referência aos soldados que prenderam Jesus e o crucificaram. O sopro lembra o pranto das filhas de Jerusalém.

  • O fogo e a água

    Para a Igreja, o ano começa mesmo é na Páscoa. No dia da festa da ressurreição de Cristo é que recomeça o ciclo litúrgico das celebrações. É por isso que, no Sábado de Aleluia, o rito da bênção do fogo e da água é a atração do Gramado Aleluia. O fogo, chamado de “fogo novo”, de acordo com a liturgia cristã, representa Jesus, que veio renovar o mundo, livrando a humanidade do pecado, da desesperança e do ódio. A chama benta no Sábado de Aleluia acende o Círio Pascal, que recebe no mesmo rito as inscrições das letras gregas alfa e ômega, simbolizando que Deus é o princípio e o fim de tudo, além do ano que está em curso. A água também remete à purificação do homem por meio do sacrifício de Cristo, verdadeira fonte de vida, tal como a água é para as plantas, os animais e para o homem. No Domingo de Páscoa, missas solenes fecham a programação do evento.

    Turistas também são convidados a participar da Procissão dos Passos junto com a comunidade local. Basta chegar um pouco antes da partida no salão da paróquia São Pedro e retirar uma roupa. A procissão começa na Praça das Bandeiras e segue pela Avenida das Hortênsias para a Borges de Medeiros até a Igreja Matriz. Pelo caminho, cantores líricos marcam as paradas em pontos estratégicos da avenida. No final da procissão, os caminhantes se concentram no Largo da Matriz para receber a bênção do sacerdote.

  • Entre um ovo de chocolate e outro, experimente adoçar a alma com a programação do Gramado Aleluia, um digno espetáculo de fé para quem celebra a Páscoa na Serra Gaúcha.

  • A Procissão dos Passos acontece na Sexta-feira Santa com saída em frente ao Corpo de Bombeiros até a matriz São Pedro.

    Via Crucis/Via Sacra se realiza na praça em frente à Igreja Matriz São Pedro. Capelas de madeira rústica retratam de forma individualizada os últimos passos de Jesus Cristo na Terra, através das 14 estações da Via Sacra. Turistas, visitantes e comunidade podem participar, trajando veste monásticas ou não.



    Gramado Aleluia
    O espetáculo da fé


    Por Redação GramadoSite, Fotos Arthur Silveira