• Quando abrimos um velho álbum de fotografias, bate aquela nostalgia. Cada imagem nos remete a um momento. Cada pedaço de papel, representa parte de uma história. Gramado criou um evento que se parece muito com esse álbum, pois faz um resgate das nossas origens para a posteridade.

    É nessa festa que encontramos com o passado. Do suor do agricultor arando a terra, ao cheirinho do pão assado no forno de barro, tudo lembra a vida simples do interior.
    Mergulhamos na história para lembrar nossos antepassados, reconhecemos em nossos sobrenomes a presença da colonização alemã, italiana e portuguesa. Seja bem-vinda, Festa da Colônia!

  • Em meio a todo o glamour que Gramado ostenta como um dos destinos turísticos mais desejados do país, a cidade abre espaço para mostrar de onde veio, para contar quem a construiu. E assim, como uma mãe que cuida dos filhos, a Praça das Comunicações abriga essas três etnias – alemã, italiana e portuguesa - numa grande festa que une os gramadenses da colônia aos gramadenses da cidade! Para temperar essa mistura, vem o turista, que se encanta com dança típica, aplaude a apresentação da bandinha, saboreia a macarronada e se delicia com o chope. Desde 2011, a Festa é agora realizada no Centro de Eventos ExpoGramado, que recebeu melhorias no complexo pavilhões. No total, são nove espaços cobertos e dois mil metros quadrados de área construída.

  • Para dar as boas vindas aos visitantes e divulgar a Festa da Colônia, anualmente são eleitas duas princesas e uma rainha para o evento. Como forma de valorizar ainda mais as comunidades, para participar do concurso e tornar-se anfitriã da festa, a jovem deve necessariamente residir no interior do município.

  • Eles falam alto e têm sempre um sorriso largo para distribuir a quem se aproxima. Trabalham como se estivessem se divertindo! Assim são os descendentes de italianos que preparam os pratos servidos no restaurante Casa Nostra - o restaurante italiano da Festa da Colônia. O cardápio – assim como o carinho – é grande. Enquanto a mamma faz a polenta o pappa serve o vinho. Quem gosta de molhos, massas e pães precisa almoçar ou jantar aqui!

  • A pele clara e os olhos azuis dessa outra equipe não deixam dúvida: nesta cozinha tem um pouquinho da Alemanha! Enquanto a oma prepara o chucrut, o opa oferece um chope geladinho. Se tiver uma bandinha por perto para animar o trabalho... então fica perfeito! É grande o número de famílias gramadenses de descendência alemã. Com zelo e capricho, todos os pratos do cardápio do Unser Haus - o restaurante alemão da Festa da Colônia - chegam à mesa carregados de sabor.

  • Este é o espaço do mais tradicional produto alemão: o chope. Para acompanhar essa delícia, o Bier Platz - o “lugar da cerveja” - oferece alguns petiscos típicos como salsicha bock, milho verde e pastéis. Sucos, vinhos, refrigerantes e a cerveja caseira spritz bier também são servidos aqui. Agora, se você avistar uma fila enooormmmeeee, não tenha dúvida: é para comprar o bolinho de batatas! Não tem pra ninguém: a cada edição o tal bolinho frito feito de batata ralada bate recorde de vendas. Só na última festa foram produzidas mais de 60 mil unidades.

    É um dos ambientes diferenciados da Festa da Colônia. No Kaffee Haus o chá e o leite servidos na mesa, saem direto do fogão à lenha que fica ao alcance de nossos olhos. Difícil é fazer o pedido diante de tanta fartura: pães (de milho, aipim, integral), geléias, doce de leite, schmier, queijo, lingüiça... tudo com um sabor bem diferente daquele quem vem da prateleira do supermercado. Para entrar no clima da colônia, escolha uma mesa próxima do parreiral de uvas, acomode-se e saboreie todas essas delícias. De longe você vai ouvir o som de alguma bandinha típica!

  • O pessoal da colônia também gosta de aproveitar o tempo livre para se divertir com os jogos de bocha e cartas. Durante a festa acontecem torneios de bochas (individual e de casais). Esse jogo é de origem italiana e consiste em arremessar as bochas (bolas de madeira ou de resina sintética), sobre uma cancha de terra batida ou saibro. Vence a disputa quem conseguir chegar mais perto do balim (pequena bocha). Quem prefere o carteado pode escolher entre a canastra (jogo de sete cartas ou mais em seqüência do mesmo naipe) e o 3 setes (jogo de cartas disputado em duplas).

    Os “gringos” (italianos) também costumam se juntar para o estranho jogo de mora. Parece que só eles são capazes de entender este jogo! Aqui, vence quem tem mais agilidade no estender os dedos sobre a mesa, tudo entre gritos e batidas. Além disso, é importante que o jogador perceba que fez o ponto e o diga, caso contrário, o adversário el da sora (continua!) e, assim, não se efetua a marcação do ponto.

  • Dança alemã, corais italianos e até a cultura gaúcha são algumas das atrações que passam pelo palco montado na Praça das Comunicações. Quem arrisca “uma figura” pode convidar seu par para a dança! Bem ao estilo dos bailes da colônia, todos se divertem, seja participando ou apenas apreciando e aplaudindo.

  • Uma réplica das moradias típicas da colônia foi erguida na Praça das Comunicações. A Casa do Colono é o ponto de referência dos agricultores durante o ano inteiro. É neste espaço que mais de 90 produtores do interior comercializam tudo o que cultivam em suas terras. Quem mais aproveita é o turista, que tem a oportunidade de comprar produtos coloniais direto do agricultor.

  • Se você passar pela Praça das Comunicações e sentir um cheirinho de pão, saiba que ele vem dos Fornos de Barro. Neles, 170 produtores se revezam durante os 12 meses do ano no preparo de pães, cucas, biscoitos, frangos e carne de porco, que podem ser levados quentinhos para casa.

  • Nesta feira acontece a exposição e comercialização dos produtos da colônia de Gramado durante todo o período da festa. Além de oportunizar o surgimento de micro e pequenas empresas, a Festa da Colônia também incentiva o desenvolvimento do agroturismo e o intercâmbio entre o homem do campo e o da cidade.

    Nas tendas são comercializados produtos como salames, copas, vinhos caseiros, graspas, queijos, geléias, schmiers, spritzbier, sucos, doces em compota, etc. Na feira colonial, também é possível adquirir artigos artesanais como toalhas, panos de prato bordados, objetos de decoração em palha de milho, cestos, flores, chapéu de palha, sabonetes aromáticos de ervas, etc. A produção de facas artesanais também é atração neste espaço.

  • O Espetáculo Origens foi criado com o objetivo de agregar um valor cultural à Festa da Colônia. A saga dos imigrantes que povoaram Gramado no final do século XIX é contada através da dança, música, canto e imagem. Os primeiros colonizadores trouxeram na bagagem um sonho. Eles buscavam o ideal de justiça, igualdade e trabalho, que é contado nesta apresentação, reunindo num mesmo palco diversos talentos, das bailarinas aos cantores.

  • Vivências conta de forma divertida e bem humorada o amor “proibido” entre um jovem italiano e uma bela jovem alemã. Encontros, desencontros, confusões, serenatas, danças, crenças e muita festa são o “recheio” do espetáculo que simboliza a transformação das etnias em uma nova família: a própria Gramado de hoje!

  • A colônia desfila pelo centro de Gramado em carroças puxadas por bois. Famílias inteiras passam pela Av. Borges de Medeiros contando a história de quem vive no interior. Vindos de diversas localidades, mais de 250 pessoas participam enfeitando as carroças com seus instrumentos de trabalho e produtos coloniais. Vestidos com roupas típicas, descendentes de alemães, italianos e portugueses mostram toda sua alegria com cantos e danças atraindo o público às margens da avenida para acompanhar cada detalhe. Sucos, vinhos, pães e cucas são distribuídos gratuitamente, para degustação.

  • Mas a Festa da Colônia não é só um encontro com o passado. Ao mesmo tempo em que preserva a identidade do agricultor, o evento também enaltece o presente e vislumbra o futuro, propondo um entrosamento entre o colono, o morador da cidade e o turista. Diante da simplicidade de um evento totalmente aberto (pois não tem custo de ingresso) é possível perceber essa mistura de raças, credos, cores e costumes numa festa onde todos são filhos dessa mesma pátria, Brasil.

    Em 2011, a Festa da Colônia acontece de 10 a 27 de Março e vem com uma novidade que promete atribuir muito à festa: ela será realizada no Centro de Feiras ExpoGramado, que foi adquirido pela Prefeitura. A estrutura da Festa está sendo construída em uma área de 20 mil m², que também conta com amplo estacionamento.

    A Festa terá um pórtico de acesso principal, local para shows e apresentações, espaço para feira de produtos típicos, quatro restaurantes, os fornos para produção de pães, cucas e carnes assadas, o “Bier Platz”, com praça de alimentação, uma praça central onde ficará o café típico alemão, o “Kaffeehaus”, cancha de bocha e espaço para as disputas esportivas e ainda um local especial com lago e belíssima vegetação nativa, além do “Espaço Festa da Colônia”, na Rua Coberta.

  • Seja bem-vinda, Festa da Colônia!
    A grande Festa em homenagem à Colônia

    Por Redação GramadoSite
    Fotos Arthur Silveira, Evandro Catuci, Cleiton Thiele