• Estar em Gramado significa estar numa terra de delícias. A cidade oferece a possibilidade de escolher entre uma grande variedade de restaurantes, cantinas, casas de café colonial, galeterias, fondues e tantos outros estabelecimentos que, juntos, oferecem o que há de melhor neste mundo dos sabores.
    Um roteiro diversificado leva o visitante para verdadeiros banquetes, porque em Gramado o ato de comer não é considerado mera necessidade. Por aqui os restaurantes celebram este momento com mesas impecáveis, ambientes fantásticos e pratos irretocáveis. Embarque nesta saborosa viagem.
  • Numa cidade que tem forte descendência italiana, é comum encontrar cantinas e galeterias. Um almoço ou jantar nestes estabelecimentos resume-se numa palavra: fartura. Desde a entrada, que apresenta uma variedade de salames, queijos e vinhos, até um saboroso risoto, a tradicional pasta ou o tenro “galeto ao primo canto,” tudo é intenso como os próprios italianos.
  • Se a opção for comida alemã, o que se encontra é uma mesa colorida e alegre como os descendentes de origem germânica. A salsicha, a carne de porco e as aves são as variedades mais consumidas, acompanhadas de muito chopp, é claro!
  • Se o frio pede algo mais ousado, Gramado oferece restaurantes especializados em caças. Javali, canguru, coelho e veado são algumas das opções para um maravilhoso jantar, despertando o apetite e desejo de saborear variações.
  • Mas se o visitante sentar à frente de uma mesa de café colonial vai ser difícil conter a gula. Beira a extravagância uma mesa com mais de 80 variedades de doces e salgados, sucos, chocolates, cafés e vinhos. O desafio consiste em conseguir provar tudo.
  • “Uma comida que também se come com os olhos”. Assim podemos definir o exótico cardápio japonês. A comida é considerada leve, nutritiva e de fácil digestão. Dizem que é preciso um certo ritual para apreciá-la. Os cenários maravilhosos de Gramado são ideais para este momento.
  • A tradição vem das cidades européias e, como não poderia deixar de ser, a serrana Gramado incorporou a fondue em seu cardápio.
    O inverno conclama para que todos se aqueçam com um bom vinho e passem horas em torno de uma mesa saboreando esta iguaria. Muitos restaurantes oferecem o tradicional rodízio, com fondue de queijo, seguida de carne e de chocolate.
    As casas mais requintadas optam pela charmosa La Pierrade, uma fondue diferente: cortes de filé mignon e frango grelhados na pedra vulcânica, servidos com molhos salgados e doces.
  • Estamos no Sul. Como não se deliciar com um autêntico churrasco? Em Gramado também tem gente que entende de verdade de churrasco. Antes de apreciar uma suculenta picanha ou uma costela assada ao calor das brasas, vale a pena provar o chimarrão, que além de muito saboroso, é um excelente digestivo.
  • Um bate-papo, uma roda de amigos e... uma pizza! Claro, Gramado também tem. As feitas em forno à lenha então... são indescritíveis. Para quem está mais light, uma sugestão é correr para os grelhados, a cidade tem ótimas opções, sempre acompanhadas de um resplandescente buffet de saladas.
  • Todo o charme da França está contido num bistrô. Lá eles são simples, mas em Gramado eles são charmosos, bem decorados e sempre repletos de pessoas bonitas. Estes lugares servem desde pratos mais elaborados, até uma simples baguete e um chá gelado.
  • Gramado também esconde em alguns de seus recantos, adegas com as melhores safras e os vinhos mais apreciados pelos mais exigentes sommeliers.
    Já os tradicionais cafés das galerias do centro e da Rua Coberta costumam ser disputados por pessoas de todas as idades, que circulam ávidas por este líquido cheio de vigor, aroma e variações.
  • Mas nem só de cozinha internacional, chocolates e galetos se faz a mesa de Gramado. A valorosa contribuição dos alemães e italianos que povoaram a cidade é um símbolo de fartura, com produtos genuinamente coloniais.

    Num passeio pelo interior de Gramado o visitante pode se deliciar com o shimier feito no tacho de ferro, ou com o pão assado em forno de barro. A spritz bier sendo fermentada, ou o vinho guardado na barrica de carvalho nos porões das casas dos colonos são algumas das surpresas deste encontro com o sabor da colônia.