• Todos os elementos que compõem o Lago Negro, um dos mais conhecidos cartões postais de Gramado, são naturais: água, árvores, animais. Mas o local foi construído por mãos humanas. Aquela região era conhecida como Vale do Bom Retiro e pertencia à família Bier. Nos idos da década de 1940, um grande incêndio arrasou a mata nativa existente ali. Aí que entra o empreendedorismo dos primeiros desbravadores da Serra Gaúcha...

  • Não se tem registros das causas do incêndio, sabe-se do sinistro por conta de depoimentos orais registrados na Câmara de Vereadores de Gramado. Leopoldo Rosenfeld, um dos moradores da época, tomou a iniciativa de abrir valas para conter o fogo e encontrou uma vertente. A abundância de xaxins permitiu drenar o fundo e as laterais da vala. A água da vertente foi tomando seu lugar, dando origem ao lago. Decorando suas margens, além das árvores que começaram a se destacar, foram importadas mudas de espécies da Floresta Negra (por isso o nome Lago Negro), da Alemanha, país de onde havia vindo a família Rosenfeld.

  • A cor escura das águas reflete no lago o verde também escuro dos pinheiros. O contraste das flores, principalmente hortênsias e azaléias, colore as margens, convidando para uma caminhada ao seu redor. Alguns refúgios pedem uma parada, seja para apreciar a paisagem, fazer fotos, tomar chimarrão, sentar para descansar e curtir um pouco mais o local.

  • Preste atenção no caminho, pois uma pequena escadaria escondida em meio às árvores conduz a uma espécie de santuário, onde os mais devotos fazem sua prece junto à imagem de Nossa Senhora adornada por flores em uma pequena gruta.

  • Logo após sua construção, as pessoas se banhavam no Lago Negro. Havia uma cerca que separava a parte funda. Um trampolim era utilizado pelos mais ousados para saltar. Logo começaram os passeios de barco. Hoje em dia, o trajeto nas águas turvas do Lago Negro pode ser feito em pedalinhos, das 8h30min às 19h. O parque fica 24h aberto a visitação. Não é mais permitido se banhar no lago, até porque o território é dos animais aquáticos que ali habitam. É comum ver, além dos pedalinhos em forma de cisne, famílias de patos nadando no Lago Negro.

  • Nos arredores do Lago Negro, fica a Carriére, um centro hípico que revelou talentos do hipismo em seus tempos áureos. Atualmente, o local recebe uma competição de salto no mês de agosto, quando a sua estrutura recebe um reforço especial. Em dezembro, a hípica se transforma numa arena para o Natal Luz, servindo de palco para a Fantástica Fábrica de Natal. A Alameda do Artesanato, uma feira com produtos feitos pelos artesãos locais, também entra na mesma rota, fica numa ruela em frente ao Lago. Às margens dele, também está a Casa da Juventude, criada para promover e conservar a cultura alemã.