Coluna e suas particularidades - Parte 1

Dor nas costas referem-se às fases iniciais da concepção, necessidades básicas e da estrutura fundamental do ser, comunicação e abertura perante a vida.

As estruturas cervicais superiores são particularmente afetadas se nos desvalorizamos no nível das capacidades intelectuais e as estruturas inferiores da cervical reagem à injustiça que possamos sofrer e determinadas situações que nos possam causar repulsa. Se tivermos a sensação de ser julgado, criticado ou machucado, podemos ser afetados a este nível e terá uma tendência de nos fecharmos como uma ostra. Para entendermos bem a coluna se faz necessário uma análise de cada estrutura:
C1 esta relacionado com preocupações em excesso com determinadas situações ou pessoas e com rigidez de pensamentos. Ele será paralisado pelo nosso medo, desespero sobre a vida, a negatividade, a dificuldade em expressar emoções. Nervosismo, insônia, cansaço crônico, tonturas, enxaquecas, pressão alta, resfriados e problemas no ouvido interno e médio são problemas relacionados à região.

C2 é ligado aos órgãos principais, ou seja, os olhos, o nariz, ouvidos, boca (língua). Problemas na região podem aparecer se houver dureza na maneira de perceber a vida, recusa a deixar ir ideias antigas para liberar espaço para o novo, preocupação com o dia seguinte, repreensão das emoções e dores, decepções e tristezas. Fatores estes ligados especialmente no caso da depressão, emocionalidade excessiva (se, por exemplo, um conflito familiar), de raiva, de revolta e tudo isso sendo geralmente causada pelo medo de ir para frente, de mudar, de tomar as suas responsabilidades; o julgamento de outros e de si mesmo, baixa estima que pode levar a um desejo de autodestruição (suicídio). Haverá também irritação, esquecimento, sinusites, alergias e desmaios como sintomas comuns a região.

C3 é uma região onde relacionamos o aparecimento de neurites, neuralgia, acne e problemas no ouvido externo e dentes. Está fortemente ligado a sensação de estar em uma bolha e evitar todas as formas de comunicação externa. Ocorre rebelião, desânimo, angustia porque a sensibilidade é afetada nas profundezas do ser. Trabalho, os sonhos e os maiores desejos gradualmente desaparecem. O individuo tornar-se irritado, amargo e não consegue digerir algumas pessoas ou determinadas situações.
As vértebras C4, C5, C6 está localizado no nível de tireóide e estão intimamente ligados com a mesma. Também se relacionam com sintomas como corisa, perda de audição, adenoides, laringites, dores de garganta ou amígdalas, faringe, torcicolos, dores na parte superior dos braços, músculos do pescoço e ombros. Qualquer desarmonia, relacionada à comunicação e expressão vai reagir de forma negativa essa região. A pessoa não expressa suas opiniões e frustrações. Engole o mal (“sapos”) que ocorrem e tendem a ruminar determinados eventos durante um longo período de tempo.

Já a C7 esta ligada ao lado moral, as crenças e o lado espiritual também. Se vivermos em harmonia com as leis da natureza, se ouvirmos as mensagens que o corpo e vida em geral enviam, C7 vai funcionar melhor. Se vivermos emoções intensas, se nos decepcionamos, se temos medo de ser rejeitado, se nos escondemos debaixo de uma concha para evitar ser ferido podemos prejudicar essa estrutura. Pode também afetar glândula tireoide, mãos, cotovelos e braços que podem se tornar inflamados (bursites) ou terem dificuldade de movimentação.
Já a região torácica localizada entre o coração e as vértebras lombares, é uma região de culpa emocional e afetiva. T1, por exemplo, a primeira vértebra dorsal pode reagir fortemente quando vamos para os nossos limites, quer no meu trabalho, seja no esporte, em suma, em cada situação que eu vá até o fim das forças mentais, físicas ou emocionais. Um mau estado de T1 pode trazer reclamações em qualquer parte do meu corpo que se encontra entre os cotovelos e os meus dedos e dificuldades respiratórias (tosse, asma, etc.).

A segunda vértebra dorsal prontamente reage quando a emoção é afetada. É particularmente sensível a tudo o que toca a família, e situações de conflito e desarmonia em viver de forma intensa. Experiências do passado, memórias, querendo consertar a realidade em eventos passados, em vez de olhar para o futuro com confiança e viver intensamente o momento presente são situações que trazem um medo do desconhecido é muitas vezes acompanhada de dores na região, no coração e órgãos que estão ligados a eles, bem como os pulmões.

A terceira vértebra dorsal é essencialmente relacionada com os pulmões e peito. É comum esta relacionada com bronquites, pneumonias, congestão e gripes. A pessoa ser fixa e rígida em seus pensamentos ou ao ver as coisas. Tendência a julgar qualquer pessoa ou situação que não está na sua definição de "direito” e ainda reagir fortemente contra o que considera ser uma "injustiça". Pode se voltar de forma irritada , mesmo violenta quando não concorda com o que vê ou ouve afetando T3.

A quarta vértebra torácica D4 refere-se a prazeres, desejos, tentações frequentemente insatisfeitas. Um grande vazio, geralmente emocional, tendências depressivas e que a única maneira que você sabe para equilibrar este estado de ser é trazer algo "quente" na vida e criar um estado de excitação, quer naturalmente ou artificialmente. Temos junto a T4 uma relação de dificuldade com a vesícula biliar.

A quinta vértebra torácica é tocada quando nos encontramos em uma situação onde temos a sensação de perder o controle. Nos sentimos tão desestabilizados. Podemos até nos encontrar em um estado de pânico. Isto ocorre particularmente no plano afetivo em relação ao cônjuge, membro da família, um amigo próximo, etc. O mau estado da T5 é muitas vezes acompanhado por várias doenças que afetam o fígado e a corrente sanguínea.

A T6 pode afetar o estomago. Estomago irritado, indigestão e azia são algum dos sintomas de desequilíbrio na estrutura. Pessoas que se julgam severamente criando um ambiente muito restrito em que os valores e as linhas de ação devem ser seguidas à risca tendem a apresentar problemas em T6. A angústia é muito presente nesses casos. Nos sentimos vítima da vida, impotentes diante eventos.

Sendo assim finalizamos essa primeira parte da coluna que ajuda a fazer uma autoanálise para evitar ou melhorar alguns problemas de saúde. Na próxima edição seguiremos com as demais vértebras torácicas, lombares e sacrais.

Fontes:
www.chiroone.net/interactive-spine

barcelonalternativa.es/vertebras-mapa/