É preciso que tudo mude

O jornal o Estado de São Paulo desta quinta - feira, 29 de abril, trás matéria assinada pela jornalista Circe Bonatelli com a chamada "Demissões e home office podem esvaziar prédios empresariais, avalia Newmark".
Segue com o subtítulo "Segundo a consultoria imobiliária, risco de perda de inquilinos é maior para os edifícios onde funcionam as empresas de pequeno e médio porte que têm menos fôlego para lidar com a crise".

Para a consultoria "O risco de perda de inquilinos é maior para os edifícios de 'classe B', onde funcionam empresas de pequeno e médio porte, que têm menos fôlego financeiro para atravessar a crise. Já nos prédios de "classe A" ou "AAA", endereço de multinacionais e companhias de grande porte, a revisão nos contratos de locação deve ser mais branda".

A matéria se refere a cidade de São Paulo, o maior centro econômico do país. Aborda a renegociação que virá nos contratos comerciais e informa sobre a popularização dos Home Office.

Para mim o Home Office veio para ficar.

Seja nas cidades de São Paulo, Porto Alegre, Rio, Belo Horizonte, demais capitais e grandes cidades. As pessoas poderão trabalhar onde quiserem e novas relações de trabalho virão. O contatos serão pelos atuais meios sem necessidade de aproximações.

Significará não só a desocupação dos atuais edifícios de escritórios, como uma parada na construção de novos prédios para tais fins.

Quem já foi afetado e terá que fechar as portas é o entorno desses edifícios, ocupado por restaurantes, lancherias e outros prestadores de serviços.

A demanda já caiu.

Um novo nicho de oportunidade se abre, mas é preciso ter faro.

Se estão trabalhando em casa e não mais na concentração dos edifícios comerciais, os que assim estão fazendo vão precisar de algum tipo desses serviços.

Cabe aos atilados descobrirem o novo veio que vai se abrir.

O Taoísmo tem os símbolos do Yin e Yang que expõem a dualidade de tudo que existe no universo. Descrevem as duas forças fundamentais opostas e complementares que se encontram em todas as coisas.

Segundo essa idéia, cada ser, objeto ou pensamento possui um complemento do qual depende para a sua existência. Assim, se deduz que nada existe no estado puro: nem na atividade absoluta, nem na passividade absoluta, mas sim em transformação contínua.

Além disso, qualquer idéia pode ser vista como seu oposto quando visualizada a partir de outro ponto de vista. Neste sentido, a categorização seria apenas por conveniência. Estas duas forças, Yin e Yang, seriam a fase seguinte do "tao", princípio gerador de todas as coisas, de onde surgem e para onde se destinam.

O escritor Leonardo Boff coloca assim "Precisamos de uma loucura sábia que possibilite uma nova síntese entre esses dois pólos para reinventar um novo caminho que nos garanta o futuro".

Esta crise econômica e financeira advinda da Pandemia do Covid - 19, pode ser para os que sabem ver, novas janelas de oportunidades.

E, para concluir:

No livro Il Gattopardo, de Tomaso di Lampedusa, Tancredi, o Príncipe de Falconeri diz a seguinte frase:

"Se vogliamo che tutto rimanga come è, bisogna che tutto cambi"

"Para que as coisas permaneçam iguais, é preciso que tudo mude"





Publicações recentes