Consciência negra - Brasilidade - Cultura Alemã

É um hábito natural-biológico os seres animados, mamíferos, peixes, aves e outros, reunirem-se em grupos por causa de semelhanças entre si.

Na sociedade humana este hábito já é Cultural-inteligente; grupos se reúnem em associações de tudo que é possível imaginar de atividades: sociedades civis, religiosas, científicas, esportivas, de caça, de ensino; Ah. Eu ia esquecer as associações políticas! Os partidos políticos! Os próprios Exércitos; a formação das Nações, dos Estados, dos Países. Tudo muito natural, bonito, correto. Nas Nações temos os poetas e escritores que registraram em escritos os elogios e amores por suas nações e seu povo, e se tornaram os símbolos e modelos de cada nação. Luiz Vaz de Camões com "Os Lusíadas", o cidadão ideal português; Johann Wolfgang von Göthe com sua literatura e ciência, o representante máximo da Cultura
alemã; Miguel de Cervantes com "Dom Quixote de La Mancha", o cônsul dos espanhóis; e a expressão de amor pátrio brasileiro, Gonçalves Dias no exílio: "Minha terra palmeiras, onde canta o sabiá; as aves que aqui gorjeiam, não gorjeiam com lá; nosso céu tem mais estrelas, nossas várzeas tem mais flores, nossos bosques tem mais vida; nossa vida, mais amores". É a prova, a marca que todos apreciamos juntos, em associações aquilo que é semelhante a nós.
Num livro de 1884 há uma descrição que algumas associações alemãs de Porto Alegre fizeram uma excursão de barco e carreta para festejarem com "seus irmãos de associação" na recém fundada Colônia de Santa Cruz do Sul. Neste texto o autor escreve, em alemão: "Es sei ein Flecken noch so klein, der Deutsche lebt dort im Verein", seja o local tão pequeno quanto quiser, o alemão vive lá em associação; e afirma isto tão convencidamente que diz que se Robinson Crusoe tivesse sido alemão, teria fundado uma associação com o índio "Sexta-Feira"que lá encontrou na ilha.
Esta introdução é para compreender e também analisar o recente debate sobre a CONSCIÊNCIA NEGRA. A etnia negra é uma das que compõe o povo brasileiro. É um grupo com suas semelhanças entre si e diferenças com os outros grupos e etnias. Com os milhares de anos as semelhanças se formaram, os grupos se juntaram, se protegeram e se encapsularam para se sentirem seguras, porque as diferenças se estranham, se rejeitam. Em outras ocasiões os diferentes se agrediram e combateram. Muitas vezes alguns indivíduos de ambos os sexos se encantaram com as diferenças e se mesclaram biologicamente, formando novas "semelhanças", novos grupos, novos interesses comuns, com possibilidade de criarem suas "associações culturais inteligentes", semelhantes aos outros grupos étnicos já formados e definidos há muitos séculos.
O povo de etnia negra, sob suas várias formas geradas no Brasil desde que foi trazido involuntariamente, tem o direito de reunir-se em associações para, pacificamente com as outras etnias, cultuar e expressar a cultura conservada de seus antepassados. É patrioticamente inteligente e até necessário, que cada grupo étnico conheça a origem e cultura dos outros para não surgirem discriminações.

Na foto, um anuário popular alemão, com sua língua e cultura no sul do Brasil, que em 1901 já existia durante 28 anos.
Últimas