Apresentação

2011
26º ano de falecimento de Hugo Daros
19º ano de atividade do AHPHD
49º ano da ação do titular: Hugo Daros
Este arquivo foi por ele assim denominado em vida e identificado na comunidade.

Ele não era Gramadense , nascido que foi em 17 de outubro de 1914, na vila de São Marcos dos Polacos, município de São Francisco de Paula de Cima da Serra. Registrado no Distrito de Criúva.

Com 9 anos de idade veio residir na vila de Gramado, com seus pais, Augusto Daros e Angela Nicoletti Daros, a convite do Major Nicoletti, seu tio.
Em momento algum da história familiar, houveram arrependimentos e dúvidas quanto a esta mudança. Todas as gerações viram e viveram Gramado como a terra abençoada da construção de um futuro.

Em Gramado, Hugo Daros foi estudante, Professor, Diretor de escola, empresário, Tabelião cartorário, Vereador, Secretário Municipal de Educação,Cultura e Desportos, político e secretário da comissão emancipacionista, palestrante, discursador, animador cultural, Presidente de clubes sociais e de clubes serviços, membro honorário de várias instituições , jornalista estadual, cronista regional, escritor, historiador. E um grande pai de família.

Na realidade, passou sua vida à limpo, ainda em vida, publicando tudo quanto escrevia e, o melhor, gratuitamente, animado sempre por seu imenso amor por Gramado. Um amor que muita gente até, não entendia. Mas ele viveu deste amor, desta dedicação, acima do viver comercial.

Herdou dos Daros o prazer da escrita e a idoneidade familiar.
Herdou dos Nicoletti sua oratória e sua veia política e declamatória.
Herdou dos Costa, a vida simples e o apego às raízes.
Herdou dos Darcie, a paciência e a arte. A fé e a religiosidade .

Seus sonhos nunca foram além dos pórticos de Gramado. Ele apenas sonhava com uma cidade que continuasse respeitando sua identidade, sua história e que tivesse a dignidade de respeitar o passado, garantindo a ele, sobrevivência, aliada ao turismo que, com certeza, ajudou a introduzir em Gramado, até como, um mentor intelectual.

A consciência turística que hoje precisa ser vista e revista na nossa educação e em seus básicos conceitos.

Faleceu em 14 de novembro de 1985, com 71 anos dedicados à família, à pátria e a Gramado. Ninguém pode negar-lhe estes três amores.

Três anos depois de sua morte, uma homenagem justa: se tornou o Patrono do Museu Histórico Municipal de Gramado, pelo qual lutou e no qual repousam seus sonhos de preservação histórica e cultural em seu veio oficial. Um bem público, sujeito ao comando político, e como tal, sempre acompanhando o desenvolvimento da comunidade e buscando atingir seus reais objetivos.

Hugo Daros gostava de documentos.
Guardava documentos.
Pesquisava muito e escrevia sempre.
Folhas guardadas da Cia. Jornalística Caldas Jr., da Comissão Pró Melhoramentos de Gramado, da Comissão de Emancipação, da primeira fase do Jornal de Gramado, do Poder Judiciário, de Clubes onde atuou. Papéis que serviam para suas memórias sociais.

Em 1º de abril de 1992, a família se reuniu e tomamos uma decisão.
Criar o "Arquivo Histórico Particular Hugo Daros" e tentar organizar todos os seus documentos que, com cuidados, poderiam clarear muitos outros momentos da história local e regional, e que, no decorrer de sua vida, ele não pudera organizar.

Este Arquivo Histórico é, inclusive, o único arquivo particular aberto ao público em nosso Estado.

É uma instituição Cultural sem fins lucrativos, legalmente constituída e desenvolvendo, neste anos todos, acompanhamento de pesquisas para estudantes locais em todos os níveis. O acervo documental, agrupado durante sua vida e complementado por pesquisas de Marilia Daros, sua filha, estão ao convívio público, na antiga residência de Hugo Daros, na rua Augusto Bordin, 223, onde é feita a guarda e conservação. Sempre com hora marcada.

Este arquivo tem possibilitado o enriquecimento da juventude local no que se refere a identificar melhor o passado desta terra. Além disto, o AHPHD desenvolve pesquisas próprias e tem publicado estas pesquisas em vários eventos regionais, tais como:
Seminário Nacional de Tropeirismo, Raízes dos Municípios Originários de Santo Antônio da Patrulha, Círculo de Pesquisas Literárias do RS, Clube do Poeta Rio Grandense, Instituto Cultural Português, Sistema Estadual de Museus e Arquivos Municipais, Sagra, histórias municipais comparadas, sites envolvidos com história regional.
São mais de 45 participações em livros editados. Realiza produções e eventos culturais. Faz Assessoria Cultural, em palestras e seminários, levantamentos históricos, tanto particulares como empresariais.

É pioneira na região com o trabalho de Educação Patrimonial , Preservação Documental e Socialização de documentos públicos.

Hugo Daros, hoje considerado o "Pai da História de Gramado", tamanha a sua preocupação em ler sua trajetória através de seus documentos, foi o desencadeador de um espaço que agora, toma a forma do turismo regional e pode, com certeza, render fontes e divisas para nosso município: o turismo cultural e o turismo histórico.


Apenas uma questão de tempo e de maturidade cultural.

Clarear o trabalho desenvolvido por Hugo Daros é garantir a ele os direitos autorais de tudo quanto publicou, que estão embutidos e de posse garantida, neste Arquivo Histórico Familiar.
Ele estimulou a pesquisa histórica e a preservação cultural de Gramado com muita força e crítica, mostrando os rumos que a memória deveria seguir.

Todos somos imigrantes, mas nem todos somos imigrantes produtivos e históricos numa comunidade.

O Arquivo familiar está, como sempre esteve à disposição de Gramado, pois para isto é que ele existe. Recebeu, em 31 de março de 2003 o Diploma de INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, num reconhecimento público destes anos de dedicação à memória de Gramado.

Por muitas outras gerações este trabalho deve perdurar .

Assim, estivemos atuando durante todos estes anos, mantendo as propostas iniciais familiares de divulgar e guardar a história de Gramado para o convívio cultural da região e do estado.

Temos certeza que estaremos fazendo jus ao título de ENTIDADE DE UTILIDADE PÚBLICA, em nosso município, recebido em março de 2003 e renovado para 2004/2010.

Não é porque era meu pai, mas foi um grande homem!
E me deixou a melhor das heranças:
A CULTURA, feita de curiosidade e de ética.

Marilia Daros
Diretora de Patrimônio

Localização

RUA AUGUSTO BORDIN, 223 - FLORESTA - Gramado/RS - Brasil