Coronavírus: pesquisa mostra reação na retomada dos negócios

Levantamento realizado semanalmente pelo Sebrae RS revela queda de 11 pontos no percentual de negócios que tiveram queda de faturamento

A quinta edição da pesquisa Monitoramento dos Pequenos Negócios na Crise, realizada pelo Sebrae RS entre os dias 01 e 09 de maio, apresenta uma considerável diminuição do percentual de empreendedores que tiveram redução de faturamento dos negócios, que é um dos reflexos mais danosos do isolamento social imposto pelo novo coronavírus. Neste levantamento, houve uma queda de 11 pontos percentuais no indicador, que passou de 91%, verificados na semana anterior, para 80% dos empresários que sinalizaram ter diminuído os rendimentos da empresa por causa da crise. No extremo oposto, observa-se um crescimento de dois pontos percentuais nos negócios que relatam aumento no faturamento, chegando a 5% dos respondentes. Os dois índices são os melhores já registrados desde que a pesquisa começou a ser feita no início de abril.
De acordo com o diretor-superintendente do Sebrae RS, André Vanoni de Godoy, essa redução pode sinalizar uma retomada nos negócios, considerando que, em muitas regiões, as medidas restritivas foram flexibilizadas. "A retomada parcial das atividades econômicas, especialmente o comércio e alguns serviços, certamente trará benefícios aos negócios, mas é importante que o empreendedor continue com as cautelas necessárias na administração dos efeitos da crise, especialmente em relação ao caixa da empresa, pois sabemos que ainda podem haver mudanças nas autorizações, conforme prevê o plano de distanciamento controlado estabelecido pelo Governo do Estado vis-à-vis a evolução do controle da pandemia". O dirigente reforça que é preciso reaprender a empreender, reinventar o jeito de se relacionar com os clientes, olhar constantemente para as oportunidades de revisão do modelo de negócios e seguir monitorando a saúde do fluxo de caixa.
O número de empresas que tiveram queda no faturamento superior a 50% chega a 56% dos entrevistados. Apesar deste percentual ainda elevado, houve uma reversão da tendência verificada nas semanas anteriores, já que, em relação a quarta semana, o índice obteve queda de seis pontos percentuais. Além disso, a atual pesquisa mostra que 47% dos empreendedores pretendem manter o negócio em funcionamento, alta de três pontos percentuais quando comparado com a semana anterior (44%).

A pesquisa de Monitoramento dos Pequenos Negócios é construída em colaboração com os clientes dispostos a informar ao Sebrae os principais dados referentes ao impacto da crise no seu negócio, e o resultado agora divulgado apresenta a evolução das percepções dos empreendedores nas cinco últimas semanas. A partir destes dados, o Sebrae RS ajusta sua atuação junto aos pequenos negócios, desenvolvendo e sugerindo ações mais efetivas para que os empreendedores possam manter suas empresas no mercado neste momento de grave crise econômica.

Financiamentos

Estimulada pelas demandas dos empreendedores nas pesquisas anteriores, na elaboração da quinta rodada de perguntas foram incluídas questões sobre financiamento, as quais revelaram que, dentre os respondentes, 32% buscaram empréstimo para manter o seu negócio em funcionamento após o início da crise, contra 68% que não optaram por essa alternativa. Dos que buscaram financiamento, 26% conseguiram efetivar a operação, 36% não lograram êxito, e 38% ainda não tiveram resposta das instituições financeiras, estando os pedidos ainda em análise.

Questionados sobre os motivos da negativa de concessão dos empréstimos, os mais citados foram: restrições cadastrais dos sócios ou da empresa (27%) e falta de garantias ou avalistas (27%). Ainda, 22% dos empresários relataram que optaram por não efetivar a operação levando em consideração a taxa de juros muito alta.

Confira os dados gerais da Pesquisa de Monitoramento dos Pequenos Negócios na Crise:

Impacto nos pequenos negócios

Negócios afetados negativamente

75% (primeira semana)

71% (segunda semana)

77% (terceira semana)

70% (quarta semana)

73% (quinta semana)


Negócios afetados positivamente

16% (primeira semana)

20% (segunda semana)

16% (terceira semana)

24% (quarta semana)

19% (quinta semana)


Faturamento: redução

90% (primeira semana)

86% (segunda semana)

89% (terceira semana)

91% (quarta semana)

80% (quinta semana)


Faturamento: alta

3% (primeira semana)

3% (segunda semana)

1% (terceira semana)

3% (quarta semana)

5% (quinta semana)


Perda no faturamento

56% maior do que 50%

16% de 41 a 50%

10% de 31 a 40%

10% de 21 a 30%

3% de 11 a 20%

3% de 6 a 10%

1% até 5%


Sobre o negócio: manter

32% (primeira semana)

38% (segunda semana)

49% (terceira semana)

44% (quarta semana)

47% (quinta semana)


Sobre o negócio: reposicionar

27% (primeira semana)

31% (segunda semana)

20% (terceira semana)

27% (quarta semana)

25% (quinta semana)


Sobre o negócio: reduzir

27% (primeira semana)

20% (segunda semana)

20% (terceira semana)

19% (quarta semana)

16% (quinta semana)


Ações em decorrência da crise

35% renegociou prazos e pagamentos com os fornecedores

31% reduziu o horário de funcionamento

27% renegociou financiamentos existentes

23% ampliou as vendas online

23% deu férias aos funcionários

17% suspendeu os contratos de trabalho


Necessidades

61% capital de giro

34% isenção de Impostos e taxas

Mais Publicações